Diversos Arquivo

  • Aniversário redondo. Vinte anos do tradicional, e absolutamente incontornável para muitos, Passeio das Mulheres CDU do Porto. O local escolhido foi a praia fluvial de Porto de Rei, em Resende, um espaço com uma beleza natural envolvente que, pela segunda vez, deliciou os participantes nesta iniciativa da CDU, realizada no domingo passado, 5 de Julho.
Como habitual, quando passava pouco das quinze horas e trinta minutos, iniciou-se a intervenção política da iniciativa. Em cima do palco, era particularmente visível a alegria dos membros da Comissão das Mulheres CDU do Porto, organizadoras do Passeio. Com a subida de Jerónimo de Sousa ao palco, coube a Manuela Pereira da Comissão Organizadora a primeira intervenção, onde afirmou, agradecendo a participação de todos, que aquela iniciativa não se resume a

    XXº Passeio Convívio das Mulheres-CDU/Porto

    Aniversário redondo. Vinte anos do tradicional, e absolutamente incontornável para muitos, Passeio das Mulheres CDU do Porto. O local escolhido foi a praia fluvial de Porto de Rei, em Resende, um espaço com uma beleza natural envolvente que, pela segunda vez, deliciou os participantes nesta iniciativa da CDU, realizada no domingo passado, 5 de Julho. Como habitual, quando passava pouco das quinze horas e trinta minutos, iniciou-se a intervenção política da iniciativa. Em cima do palco, era particularmente visível a alegria dos membros da Comissão das Mulheres CDU do Porto, organizadoras do Passeio. Com a subida de Jerónimo de Sousa ao palco, coube a Manuela Pereira da Comissão Organizadora a primeira intervenção, onde afirmou, agradecendo a participação de todos, que aquela iniciativa não se resume a "um mero pic-nic, mas sim a 20 anos em que as mulheres CDU do Porto se juntam à luta de todas as mulheres, em defesa e na promoção dos seus direitos, pela verdadeira igualdade no plano social, económico, político e cultural, e contra todas as formas de opressão, discriminação e violência". Entre fortes vivas à CDU, Jerónimo de Sousa começou por agradecer a presença de todos que têm contribuído para a realização do Passeio das Mulheres CDU do Porto, extensível a todos que, numa altura de muitas dificuldades, optaram por participar naquela iniciativa que, considera o Secretário Geral do PCP, é já parte constante "do calendário da iniciativa política" da CDU.[Ler+...]

    Continuar a Ler...

  • O projecto apresentado para o Mercado do Bom Sucesso traduz-se na destruição de um mercado de frescos tradicionais, transformando o edifício (apenas porque está em vias de classificação) num edifício de serviços (escritório e hotel), com uma galeria comercial (um pequeno centro comercial) adstrita.
Este modelo, na nossa opinião, revela falta de Visão, na medida em que, acreditamos, a tendência será, no futuro, para um regresso aos mercados tradicionais de frescos e o Porto poderia ter como mais um dos seus elementos distintivos a existência de dois mercados de frescos instalados em dois edifícios arquitectónica e patrimonialmente emblemáticos.
Em resumo, com a aprovação desta proposta, a Cidade do Porto:
Vê destruído um mercado tradicional de frescos e assiste à sua transformação num edifício de serviços apoiado por uma galeria comercial;
Os seus actuais comerciantes não vêem assegurado o seu futuro no mercado (antes pelo contrário) e não ficam protegidos ao nível da negociação de indemnizações; e
A rentabilidade do negócio para o Município é má, favorecendo, claramente, o promotor privado (como tem sido prática de Rui Rio nos vários negócios de privatização/concessão de serviços e equipamentos. [Ler+...]

    Proposta de Concessão do Mercado do Bom Sucesso: Fundamentação da posição da CDU

    O projecto apresentado para o Mercado do Bom Sucesso traduz-se na destruição de um mercado de frescos tradicionais, transformando o edifício (apenas porque está em vias de classificação) num edifício de serviços (escritório e hotel), com uma galeria comercial (um pequeno centro comercial) adstrita. Este modelo, na nossa opinião, revela falta de Visão, na medida em que, acreditamos, a tendência será, no futuro, para um regresso aos mercados tradicionais de frescos e o Porto poderia ter como mais um dos seus elementos distintivos a existência de dois mercados de frescos instalados em dois edifícios arquitectónica e patrimonialmente emblemáticos. Em resumo, com a aprovação desta proposta, a Cidade do Porto: Vê destruído um mercado tradicional de frescos e assiste à sua transformação num edifício de serviços apoiado por uma galeria comercial; Os seus actuais comerciantes não vêem assegurado o seu futuro no mercado (antes pelo contrário) e não ficam protegidos ao nível da negociação de indemnizações; e A rentabilidade do negócio para o Município é má, favorecendo, claramente, o promotor privado (como tem sido prática de Rui Rio nos vários negócios de privatização/concessão de serviços e equipamentos. [Ler+...]

    Continuar a Ler...

  • a CDU irá propor, ao abrigo das prerrogativas legais, o agendamento para uma próxima reunião, de uma proposta de alteração da fórmula de cálculo das rendas sociais a praticar nos bairros municipais.
Como é sabido, a fórmula de cálculo praticada está definida no Decreto-Lei 166/93, documento relativamente ao qual existem, actualmente, diversos projectos de alteração na Assembleia da República e que não têm vindo a ser analisados por evidente boicote da parte do PS.
No entanto, diversos Municípios têm vindo a alterar a fórmula de cálculo, por iniciativa própria e dado que as consequências dessa alteração são, apenas, de nível municipal, para um regime mais favorável às famílias, eliminando as situações de injustiça que o Decreto-Lei 166/93 provoca e que foram detectadas com a sua aplicação prática [Ler+...]

    Proposta de reformulação do cálculo das rendas dos bairros municipais

    a CDU irá propor, ao abrigo das prerrogativas legais, o agendamento para uma próxima reunião, de uma proposta de alteração da fórmula de cálculo das rendas sociais a praticar nos bairros municipais. Como é sabido, a fórmula de cálculo praticada está definida no Decreto-Lei 166/93, documento relativamente ao qual existem, actualmente, diversos projectos de alteração na Assembleia da República e que não têm vindo a ser analisados por evidente boicote da parte do PS. No entanto, diversos Municípios têm vindo a alterar a fórmula de cálculo, por iniciativa própria e dado que as consequências dessa alteração são, apenas, de nível municipal, para um regime mais favorável às famílias, eliminando as situações de injustiça que o Decreto-Lei 166/93 provoca e que foram detectadas com a sua aplicação prática [Ler+...]

    Continuar a Ler...

  • A maioria camarária do PSD-PP aprovou, com o apoio do PS, a aquisição duma frota de pesados em sistema que exclui a sua manutenção pelas oficinas municipais. O vereador da CDU, Engº Rui Sá, votou contra esta proposta.
Como o PCP há muito tem vindo a denunciar, a gestão de Rui Rio neste mandato tem sido orientada para a externalização, concessão, ou privatização de serviços e equipamentos municipais, com reais prejuízos para a câmara, para os munícipes e para os próprios trabalhadores.
Tal política tem levado ao sucessivo esvaziamento das oficinas, o que entre outras consequências tem conduzido a uma redução acentuada do número de trabalhadores que lhe estão afectos. [Ler+...]

    Oficinas Técnicas Municipais em risco de encerramento

    A maioria camarária do PSD-PP aprovou, com o apoio do PS, a aquisição duma frota de pesados em sistema que exclui a sua manutenção pelas oficinas municipais. O vereador da CDU, Engº Rui Sá, votou contra esta proposta. Como o PCP há muito tem vindo a denunciar, a gestão de Rui Rio neste mandato tem sido orientada para a externalização, concessão, ou privatização de serviços e equipamentos municipais, com reais prejuízos para a câmara, para os munícipes e para os próprios trabalhadores. Tal política tem levado ao sucessivo esvaziamento das oficinas, o que entre outras consequências tem conduzido a uma redução acentuada do número de trabalhadores que lhe estão afectos. [Ler+...]

    Continuar a Ler...

  •  Na sua sessão de 29 de Junho a Assembleia Municipal do Porto aprovou por unanimidade a moção de solidariedade com o Ramaldense F. C. apresentada pelo grupo municipal da CDU. […]

    Assembleia Municipal aprova moção de solidariedade com o Ramaldense

     Na sua sessão de 29 de Junho a Assembleia Municipal do Porto aprovou por unanimidade a moção de solidariedade com o Ramaldense F. C. apresentada pelo grupo municipal da CDU. […]

    Continuar a Ler...

  • Quase a chegar ao final do actual mandato autárquico, é tempo de fazer o balanço sobre a execução daqueles que a Coligação PSD/CDS definiu como os projectos mais emblemáticos e que passavam, na sua totalidade, por “Parcerias Público/Privadas”.
De facto, Rui Rio, incapaz de definir um projecto e uma ideia para os principais equipamentos municipais da Cidade do Porto, entregou-os, de uma forma dogmática, às ideias e projectos de investidores privados, grande parte deles sem concursos públicos e, em muitos casos com a atribuição de financiamentos de dinheiros públicos que sustentam e minimizam o risco da iniciativa privada.
Mas, mesmo assim, e passados quatro anos, é confrangedor constatar que as expectativas criadas pela Coligação PSD/CDS relativamente estes projectos não se concretizaram, arrastando-se os prazos de execução de alguns e atolando-se outros nas contradições insanáveis que estavam presentes na sua própria conceptualização. 
Neste artigo analisam-se  os casos da Pousada do Freixo, do Mercado do Bolhão, do Mercado de Ferreira Borges, do Mercado do Bom Sucesso, da Praça de Lisboa, do Parque da Cidade.

    O mandato de Rui Rio: Quatro anos de projectos falhados

    Quase a chegar ao final do actual mandato autárquico, é tempo de fazer o balanço sobre a execução daqueles que a Coligação PSD/CDS definiu como os projectos mais emblemáticos e que passavam, na sua totalidade, por “Parcerias Público/Privadas”. De facto, Rui Rio, incapaz de definir um projecto e uma ideia para os principais equipamentos municipais da Cidade do Porto, entregou-os, de uma forma dogmática, às ideias e projectos de investidores privados, grande parte deles sem concursos públicos e, em muitos casos com a atribuição de financiamentos de dinheiros públicos que sustentam e minimizam o risco da iniciativa privada. Mas, mesmo assim, e passados quatro anos, é confrangedor constatar que as expectativas criadas pela Coligação PSD/CDS relativamente estes projectos não se concretizaram, arrastando-se os prazos de execução de alguns e atolando-se outros nas contradições insanáveis que estavam presentes na sua própria conceptualização. Neste artigo analisam-se os casos da Pousada do Freixo, do Mercado do Bolhão, do Mercado de Ferreira Borges, do Mercado do Bom Sucesso, da Praça de Lisboa, do Parque da Cidade.

    Continuar a Ler...

Página 1 de 2612345...1020...Última »