Educação Arquivo

  • Na sequênciade uma visita realizada pelo Grupo Parlamentar do PCP à Escola SecundáriaAlexandre Herculano e perante a constatação da urgência de obras de remodelaçãoe modernização, o PCP, através do Deputado […]

    PCP questiona Governo sobre a realização de obras de remodelação na Escola Alexandre Herculano

    Na sequênciade uma visita realizada pelo Grupo Parlamentar do PCP à Escola SecundáriaAlexandre Herculano e perante a constatação da urgência de obras de remodelaçãoe modernização, o PCP, através do Deputado […]

    Continuar a Ler...

  • Cerca de 270 professores de Actividades Extracurriculares (AEC) encontram-se sem receber as remunerações devidas desde o mês de Setembro de 2011. Estas são-lhes devidas por parte da a empresa EduTec, contratada pela Câmara Municipal do Porto por concurso público, no sentido de garantir o funcionamento dessas mesmas Actividades nas escolas de Ensino Básico da Cidade do Porto.

    CDU questiona a Câmara sobre o atraso no pagamentos aos professores das Actividades de Enriquecimento Curricular

    Cerca de 270 professores de Actividades Extracurriculares (AEC) encontram-se sem receber as remunerações devidas desde o mês de Setembro de 2011. Estas são-lhes devidas por parte da a empresa EduTec, contratada pela Câmara Municipal do Porto por concurso público, no sentido de garantir o funcionamento dessas mesmas Actividades nas escolas de Ensino Básico da Cidade do Porto.

    Continuar a Ler...

  • Grupo Parlamentar do PCP questiona Ministério da Educação sobre Conservatório de Música do Porto Através de diversa documentação e posições escritas que chegaram ao Grupo Parlamentar do PCP, provenientes de […]

    Grupo Parlamentar do PCP questiona Ministério da Educação sobre Conservatório de Música do Porto

    Grupo Parlamentar do PCP questiona Ministério da Educação sobre Conservatório de Música do Porto Através de diversa documentação e posições escritas que chegaram ao Grupo Parlamentar do PCP, provenientes de […]

    Continuar a Ler...

  • De seguida reproduzimos o requerimento enviado pelo Deputado do PCP na Assembleia da República Honório Novo, dirigido ao Ministério da Educação a propósito da situação da Escola Artística Soares dos Reis:
“Em Setembro de 2008, o Governo, rodeado de toda a pompa e circunstância, marcando o início de mais um ano lectivo, inaugurou as novas instalações da Escola Artística Soares dos Reis, onde tinha sido, aparentemente, concluída uma grande intervenção de remodelação e modernização.
Sucede que, passado o dia da inauguração e dos discursos governamentais, voltaram as obras que afinal não estavam concluídas. Não estavam concluídas nem o estão completamente, passados que são quatro meses sobre a retórica oficial. Como exemplo maior cite-se o caso das oficinas cujo integral e normal funcionamento foi anunciado para Novembro, primeiro, para Dezembro, depois, para finais de Janeiro, mais tarde! Há ainda equipamento que continua sem ser entregue e devidamente acondicionado e montado com prejuízo mais que notório e evidente dos alunos, mormente para os que optarem pela integração no mercado de trabalho, a quem as aulas “práticas” teriam sido essenciais (e continuam a ser) mas não se realizaram ou só se efectuaram de forma insuficiente e precária. Também no capítulo da segurança, as soluções adoptadas têm sido consideradas provisórias e insuficiente (Ler+...)

    PCP questiona Governo sobre a situação da Escola Soares dos Reis

    De seguida reproduzimos o requerimento enviado pelo Deputado do PCP na Assembleia da República Honório Novo, dirigido ao Ministério da Educação a propósito da situação da Escola Artística Soares dos Reis: “Em Setembro de 2008, o Governo, rodeado de toda a pompa e circunstância, marcando o início de mais um ano lectivo, inaugurou as novas instalações da Escola Artística Soares dos Reis, onde tinha sido, aparentemente, concluída uma grande intervenção de remodelação e modernização. Sucede que, passado o dia da inauguração e dos discursos governamentais, voltaram as obras que afinal não estavam concluídas. Não estavam concluídas nem o estão completamente, passados que são quatro meses sobre a retórica oficial. Como exemplo maior cite-se o caso das oficinas cujo integral e normal funcionamento foi anunciado para Novembro, primeiro, para Dezembro, depois, para finais de Janeiro, mais tarde! Há ainda equipamento que continua sem ser entregue e devidamente acondicionado e montado com prejuízo mais que notório e evidente dos alunos, mormente para os que optarem pela integração no mercado de trabalho, a quem as aulas “práticas” teriam sido essenciais (e continuam a ser) mas não se realizaram ou só se efectuaram de forma insuficiente e precária. Também no capítulo da segurança, as soluções adoptadas têm sido consideradas provisórias e insuficiente (Ler+...)

    Continuar a Ler...